25 novembro 2021
area-financeira-e-risco

16% das empresas sofreu incumprimentos significativos em 2021

42% das empresas deteta uma deterioração nos níveis de solvência dos seus clientes causada pelo impacto da pandemia, de acordo com o inquérito de outono do estudo impulsionado pela Crédito y Caución e pela Iberinform.

Índice do artigo

Em 2021, 16% das empresas portuguesas sofreu incumprimentos significativos, apesar das injeções de liquidez e dos estímulos fiscais recebidos para atenuar os efeitos económicos da Covid-19. De facto, 42% das empresas deteta uma deterioração nos níveis de solvência dos seus clientes causada pela pandemia que gerou um agravamento do risco de crédito associado à sua carteira. Estes são alguns dos dados mais relevantes evidenciados pelo inquérito de outono do Estudo de Gestão de Risco de Crédito em Portugal, impulsionado pela Crédito y Caución e pela Iberinform.

A partir de março de 2020, adotaram-se medidas extraordinárias para dotar de liquidez adicional um tecido produtivo que se viu obrigado a reduzir de forma drástica os seus níveis de faturação. A deterioração atual dos níveis de solvência resulta da combinação de vários fatores. Por um lado, as empresas fizeram uso das facilidades de liquidez e estão agora mais endividadas do que antes da pandemia, o que agravou os seus custos financeiros. Por outro lado, muitas empresas ainda estão longe de recuperar os níveis de faturação anteriores à pandemia. Por último, há um aumento dos custos de operação, derivado das matérias-primas, da energia e do desajustamento logístico das cadeias de fornecimento, que não pode se facilmente transferido para as margens. Todos estes condicionantes pressionam os níveis de solvência e de liquidez. De facto, 41% do tecido empresarial prevê que o nível de incumprimento dos seus clientes aumente nos próximos meses.

Embora não se preveja que as empresas portuguesas alcancem os seus níveis de faturação pré-pandemia antes de 2022, três em cada cinco empresas, cerca de 61%, espera melhorar os seus resultados no comparativo com 2020. As previsões sobre o impacto desta maior atividade económica na rendibilidade das empresas não mostram a mesma intensidade. Apesar do incremento dos níveis de faturação, apenas 52% das empresas espera aumentos nos lucros e uns significativos 22% espera mesmo um agravamento face a 2020. Este efeito explica-se, em boa medida, pelo aumento dos custos de operação e pelo incremento dos custos financeiros pela deterioração da solvência empresarial.

Mais opções:

Os mais lidos

Este site usa cookies

Esta pagina web utiliza cookies com finalidades analíticas (elaborar estatísticas a partir dos seus hábitos de navegação), de personalização (para recordar o idioma ou a configuração preferida), e de publicidade comportamental (para elaborar perfis e oferecer-lhe publicidade orientada às sua preferências de navegação)

Pode configurar agora ou modificar ou retirar o seu consentimento em qualquer momento clicando em Declaração de Cookies.

 

Marketing

Os cookies de marketing são utilizados para rastrear os visitantes dos sites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e atraentes para o utilizador individual e, por conseguinte, mais valiosos para os editores e anunciantes terceiros.

Necessárias

Os cookies necessários ajudam a tornar um site utilizável, ativando funções básicas como navegação na página e acesso a áreas seguras do site. O website não pode funcionar corretamente sem estes cookies.

Estadísticas

Os cookies estatísticos ajudam os proprietários dos sítios Web a compreender como os visitantes interagem com o sítio Web, recolhendo e fornecendo informações de forma anónima.

Preferências

Os cookies de preferências permitem que o site se lembre de informações que alteram a forma como o site se comporta ou é apresentado, tais como o seu idioma preferido ou a região em que se encontra.